Qual o melhor modelo de negócio para você?

Qual modelo vai viabilizar quanto dinheiro você quer ganhar com o tipo de trabalho, a flexibilidade e a satisfação que você quer ter?

Será que você realmente precisa criar um curso online ou uma comunidade ou um ebook para viver  o sonho do negócio próprio?

Tem gente demais tentando nos convencer de que existe um formato específico do negócio de sucesso. Mas são poucos aqueles que colocam na equação o estilo de vida e os objetivos de cada empreendedor.

Escolher um modelo de negócio que seja simples e que atenda a sua necessidade de vida é uma dos objetivos do Slow Business e hoje vou falar o que acredito sobre construir um negócio.

Independente de como seu negócio começou, se foi meio “sem-querer” ou com mais intenção, é bem provável que não tenha começado com um modelo de negócio pensado.

Eu por exemplo, fiquei um tempo testando o que vender, quem ia comprar e quanto ia cobrar pelo meu trabalho…

Com o tempo, moldei tantas vezes meiu negócio, que acabei chegando no melhor modelo para mim, quase totalmente sustentável – fique à vontade para me perguntar sobre esse “quase” quando quiser!

Neste artigo vou explicar o que é um modelo de negócio e falar sobre algumas ideias não muito certas que temos sobre esse assunto.

Também vou mostrar 5 modelos simples – alguns bastante ignorados – que são muito comuns no ambiente online.

O que a maioria dos empreendedores não entende sobre modelo de negócio

Se você não entende muito bem o que é um modelo de negócio e como isso se aplica ao seu negócio, bem vindo ao clube!

Modelo de negócio é o sistema que uma empresa usa para criar, entregar e trocar VALOR.

Ta aí um jeito elegante de dizer que modelo de negócio é como você melhora a vida das pessoas fazendo uma coisa que só você faz, e como você vende isso para elas.

Um erro comum entre empreendedores é acreditar que existe um modelo de negócio “certo”, onde é só montar um catálogo de serviços que se encaixam entre si e para que virem um negócio que funciona.

Mas como tudo nessa vida e assim como as pessoas, cada empresa é única.

Sem dúvida existem estruturas ótimas para usar como base, como as que trago neste artigo. Mas acredito que cada pessoa tem seu próprio ritmo e jeito de criar, entregar e trocar valor com base no que é bom para ela, para seus clientes e para seu estilo de vida.

Outra crença que é muito comum no mercado é a de que existe modelo de negócio “bom” e “ruim”. Ou modelos que ganham mais ou menos dinheiro do que outros.

Por exemplo: muita gente acha que trabalhar com clientes 1 a 1 não vai atender suas necessidades financeiras. Então decidem criar um curso online, ou um programa em grupo para ganhar mais dinheiro, quando nem sempre traz mais resultado financeiro ou simplesmente não é o que a pessoa gostaria de fazer…

A realidade é que tem empresas de todos os tipos de modelo de negócio que estão ganhando muito bem, assim como também empresas de todos os tipos de modelo de negócio, que não estão indo bem. E isso depende da cabeça que está por trás dele.

Uma coisa é certa: O modelo de negócio vai impactar a forma como sua empresa gera receita, mas não é ele que limita seu potencial de sucesso e sustentabilidade.

Qual é o modelo de negócio certo para você?

No ambiente digital e empreendedor, temos acesso a poucas informações para entender como e por que negócios simples dão certo.

Por isso quero trazer alguns modelos super simples, que conhecemos bem mas que as pessoas não se animam muito para usar.

Meu objetivo é abrir o leque de opções e te dar um ponto de partida para pensar sobre o modelo de negócio que quer ter de verdade.

Quero que você escolha o modelo que faz mais sentido para sua vida, suas prioridades pessoais, sua conta bancária e o impacto que deseja causar no mundo.

Mas não escolha um modelo baseado no que está fazendo agora, no seu modelo atual. Tente refletir e descobrir qual o melhor modelo para você, pesando todos os fatores: suas habilidades, seus clientes, a maneira como você gosta de trabalhar, os riscos que está disposta a correr, o tipo de equipe que deseja formar (ou não), etc …

Esses pontos são importantes e pesam muito ao considerar o modelo de negócio que deseja construir.

Por isso, entre neste artigo com mente e coração abertos, com um olhar criativo! Mas lembre-se de manter seu foco na simplicidade.

E eu nessa história, tô onde?

Bom, eu não estou isenta de complicar meu próprio negócio. Estou aprendendo a lição da simplicidade de um jeito mais lento. Mas uma coisa posso afirmar: estou 100% segura de que o meu negócio não será sustentável se não for simples.

A seguir apresento os principais modelos de negócio mais simples que você pode ter.

Os modelos que trago se aplicam mais a empreendedores que tem um negócio digital baseado em serviços.

5 modelos de negócios simples para negócios digitais que vendem serviços

Na lista abaixo trago minhas observações sobre modelos de negócios de clientes e de pessoas que estou conhecendo fora do Brasil.

Se os modelos abaixo parecerem fora da sua realidade, pergunte-se: O que está impedindo que meu negócio opere dessa forma?

Serviço Produtizado

  • Marketing: boca a boca e indicação
  • Base de clientes: pequena e altamente específica
  • Vendas: pouca ou nenhuma, uma questão de compatibilidade
  • Equipe e suporte: varia, pode ser 1 pessoa ou uma equipe maior
  • Capacidade de entrega: varia, 4 a 6 clientes-mês para uma empresa de 1 pessoa, mais de 10 para uma empresa com uma equipe

Um negócio que entrega um serviço produtizado, oferece um pacote definido com uma entrega clara. É o reino dos arquitetos, contadores, gestores de registro de marca, etc.

É um negócio 100% focado no processo.

Grande parte da simplicidade desse tipo de negócio é a clareza sobre quem ele atende. Os processos só funcionam quando são aplicados a objetivos ou problemas específicos.

Essas empresas podem passar a impressão de serem mais rígidas ou impessoais, mas conseguem atender muito bem seus clientes porque os processos são muito bem definidos.

Um negócio de serviço produtizado também pode ser em formato de projetos, mas geralmente atendem clientes que pagam uma taxa mensal recorrente – o que só aumenta a simplicidade.

Essas empresas crescem com o boca a boca e indicações, exigindo pouco ou nenhum marketing. O processo de vendas também é simples, porque é uma oferta e um resultado específico que o cliente precisa ou não.

Pode ser gerenciada com eficiência por uma única pessoa atendendo uma pequena quantidade de clientes e pode crescer para acomodar uma equipe, com uma estrutura semelhante à de uma agência.

O potencial de receita desse tipo de negócio é relativamente alto porque pode funcionar com pouquíssimas despesas além da folha de pagamento (se houver).

Além disso, os clientes normalmente ficam dentro da empresa por um longo tempo devido a confiabilidade do serviço.

Este modelo é ótimo para quem adora sistemas e estruturas ou para alguém que deseja construir uma empresa maior, mas ainda não sabe como ela vai ser.

Atendimento 1: 1

  • Marketing: boca a boca e indicação
  • Base de Clientes: varia, quanto mais claro o nicho, mais simples de atrair
  • Vendas: 1: 1 call de “descoberta” ou sessão de amostra
  • Equipe e suporte: facilmente administrado por 1 pessoa
  • Capacidade de entrega: 6-8 clientes-mês, às vezes mais dependendo da estrutura

Um negócio que usa o modelo de Atendimento 1: 1 oferece uma estrutura que é determinada pelo tempo da entrega (ou seja, 6 meses, 1 ano, etc).

A entrega gira em torno de um objetivo específico, uma transição ou uma prática particular.

Aqui é onde vivem os coaches, terapeutas e pessoas que se dedicam a acompanhar outras pessoa em uma jornada de transformação.

Dentro dessa estrutura de tempo e objetivo, o negócio oferece um formato padrão de suporte, que quase sempre é ao vivo, mas pode também ser assíncrono por meio de e-mails ou whatsapp privado.

Um negócio  de Atendimento 1: 1 requer poucas ações de marketing.

Parcerias (entrevistas em podcast ou transmissões ao vivo) podem trazer boas oportunidades de aparecer na frente das pessoas certas.

Depois um blog ou uma newsletter pode ser suficiente para manter a agenda cheia – quando já se construiu uma reputação e audiência. Quase sempre, os clientes vem por meio do boca a boca ou de indicação.

O processo de vendas é o de call de descoberta ou sessões gratuitas de amostra. Nesse encontro não há pressão ou falsa urgência. Uma única pessoa – o coach no caso – pode administrar o negócio com eficiência.

Alguns coaches podem optar por trabalhar com um assistente para criar espaço adicional para clientes, mas é mais do que possível gerenciar isso de forma independente.

É um negócio que pode gerar uma boa receita, mas aqui o ganho principal é de “lucro de vida”.

As despesas são mínimas e, quando o preço é bem cobrado, o negócio proporciona muita flexibilidade pessoal.

Este modelo é perfeito para quem gosta de trabalhar com os clientes de forma mais intimista e que valoriza um suporte altamente personalizado. Também é ótimo para quem deseja manter as coisas o mais simples e flexíveis possível.

Consultoria

  • Marketing: boca a boca e indicação, SEO
  • Base de Clientes : varia, quanto mais claro o nicho, mais simples de atrair
  • Vendas: 1: 1 chamada de venda, por proposta ou acordo para um pacote padronizado
  • Equipe e suporte: facilmente administrado por 1 pessoa ou um pequeno grupo
  • Capacidade de entrega : 2-5 clientes-mês

Um negócio que vende pacote de consultoria é meio que a mistura dos dois primeiros modelos apresentados aqui: serviço produtizado e Atendimento 1:1.

A entrega é um produto de conhecimento, e não o resultado de um serviço. É um relatório ou planejamento estratégico em vez de um site, ou uma identidade de marca.

Esse tipo de negócio geralmente vende para outras empresas que muitas vezes são muito maiores do que a empresa que fornece a consultoria.

Assim como no 1:1, um nicho bem desenhado deixa o marketing e as vendas super simples.

O marketing, mais uma vez, é boca a boca e indicação. O SEO – otimização de mecanismos de busca – também são uma forma eficaz para encontrar os clientes certos.

O processo de vendas é uma chamada de venda 1: 1 ou várias chamadas. O cliente aceita uma proposta personalizada ou um pacote padronizado que descreve a estrutura do que será feito e os resultados.

Assim como no 1:1, uma única pessoa pode administrar esse negócio sozinha ou contratar um assistente para aumentar sua capacidade ou flexibilidade.

Um pequeno grupo de consultores também pode fornecer um pacote de consultoria, semelhante ao modelo de serviço produtizado.

Como já mencionado, este modelo de negócio combina o potencial de receita do modelo de serviço produtizado com as margens de um negócio Atendimento 1:1, principalmente quando ele trabalha com empresas maiores, já que o negócio pode contar com menos clientes para ter uma receita muito maior.

Este modelo é ótimo para quem gosta de gerar resultados extraordinários, cobrando um preço relativamente alto. Também é perfeito para quem gosta de sentar na cadeira de especialista ou ser aquele negócio que só entram pessoas que operam em alto nível.

Programa em Grupo

  • Marketing: marketing de conteúdo, indicação, parcerias
  • Base de Clientes : um nicho claro
  • Vendas: auto-dirigidas ou ligações de vendas 1: 1
  • Equipe e suporte: Suporte ao cliente, administrador e|ou outros pro sob contrato
  • Capacidade de entrega: 12-20 clientes por programa

Um negócio de programa em grupo dá aquela alavancada adicional no modelo de Atendimento 1: 1.

Em vez de trabalhar com 1 pessoa por vez dentro de uma estrutura padronizada, este modelo agrupa clientes com necessidades ou objetivos semelhantes e os leva pela mesma estrutura do atendimento 1:1.

De novo, é mais fácil vender quando temos um nicho muito claro e específico.

Esse modelo também vai exigir um marketing com mais influência. O marketing de conteúdo (blog, podcast, newsletter) pode atrair as pessoas certas em maior número. Mas indicações e parcerias também tem um papel muito significativo aqui.

As vendas geralmente são tratadas 1: 1. Mas algumas empresas usam vendas auto-direcionadas (email marketing, webinar, funil de vendas, etc.) para preencher seus programas.

Uma pessoa sozinha pode gerenciar esse tipo de negócio, mas, na maioria das vezes, optam por envolver outras pessoas: uma para a parte administrativa e outra para suporte ao cliente, de forma dedicada. Ter uma equipe pode dar ao dono do negócio mais espaço mental para atender o grupo.

Normalmente, os programas em grupo incluem aulas e encontros com convidados ou especialistas.

Este negócio normalmente vai atender de 12 a 20 clientes ao mesmo tempo em um programa. Dependendo da estrutura, pode rodar 2 ou mais programas simultaneamente ou 2 ou 3 vezes ao longo do ano.

O potencial de receita deste modelo é alto, dependendo do nicho e dos resultados.  Mas ao mesmo tempo exige mais tempo de trabalho de bastidor, reduzindo as margens de “lucro de vida”. No entanto, investir em tempo de trabalho de bastidor é uma boa opção para quem gosta de criar estrutura, propriedade intelectual ou conteúdo.

Este modelo é ótimo para quem adora facilitar transformações individuais por meio de conversas em grupo e colaborativas. Também é ótimo para quem deseja compartilhar suas ideias com um público maior de pessoas.

Curso Online

  • Marketing: marketing de conteúdo, patrocinados, SEO
  • Base de Clientes : menos específico do que outros modelos
  • Vendas: autodirigida, geralmente por meio de webinários ou série email marketing
  • Equipe e suporte: suporte ao cliente, gerente de anúncios, suporte técnico
  • Capacidade de entrega: 50+

As empresas que tem como modelo cursos online são muito populares no Brasil por serem “escalonáveis”, mas existem algumas considerações importantes que deixamos de lado, antes de escolher este modelo.

Quando um curso online é a oferta principal de um negócio, a atividade principal da empresa passa a ser o marketing. – Por favor leia essa frase de novo!

A empresa gera conteúdo (séries de vídeo, podcast, blog, newsletter, redes sociais) para alimentar o marketing. Ao mesmo tempo elas ampliam a abrangência por meio de publicidade, anúncios pagos ou uma estratégia de SEO agressiva.

Esse formato traz com ele a necessidade de testar e otimizar continuamente o processo de venda, para garantir que as pessoas certas estejam comprando a uma taxa previsível.

Negócios baseados em cursos online geralmente requerem uma equipe com várias pessoas.

Precisa de alguém para gerenciar o suporte ao cliente, outra pessoa para monitorar e otimizar os anúncios. Muitas vezes, é preciso também alguém para dar suporte técnico (interno ou para o cliente), além da necessidade de um gerente de operações e um gerente de marketing.

Esse modelo de negócio precisa ter muito mais clientes de uma vez do que os outros modelos que vimos até agora. A necessidade de matrículas pode ser contínua ou por meio de campanhas de vendas com limitadas em datas especificas durante o ano.

Esse negócio pode gerar muita receita – mas também tem despesas mais altas com folha de pagamento, software, publicidade e marketing.

Este modelo é perfeito para pessoas que não se importam com um nível mais alto de complexidade no negócio, porque estão a serviço de impactar um grande número de pessoas.

Também é ótimo para quem ama construir audiência, tem perfil Fátima Bernardes ou são gênios da comunicação que gostam de passar muito tempo criando.

Qual seu modelo ideal?

Como falei lá atrás, dá pra imaginar seus serviços dentro desses modelos!

Mas minha intenção ao trazê-los aqui é que você enxergue qual deles está mais alinhado com suas prioridades, habilidades pessoais e não só qual o modelo mais adequado para o seu produto ou serviço atual ou qual vai te dar mais dinheiro.

É possível ter sucesso com qualquer um desses modelos. Melhor ainda: é possível criar o seu modelo dentro desses padrões simples.

Por isso é importante saber o que é possível para que você crie o modelo que seja mais próximo da forma como deseja se relacionar com seus clientes, como quer vender e o tamanho da equipe que quer construir (ou não).

Sempre vamos precisar investir (tempo, dinheiro, outros recursos) para obter diferentes capacidades para o negócio, por isso desenhar um que seja a nossa cara é sempre melhor.

Um modelo pode exigir mais automação de marketing. Outro vai precisar que você dedique tempo e energia para estudar referências que te nutram de ideias. E pode ser que outro modelo de negócios exija que você saiba gerenciar pessoas.

Como você deseja passar seu tempo como dona do seu negócio?

Pergunte-se sempre: Como quero usar meu tempo?

Cada modelo de negócio vai exigir de você coisas diferentes.

Um modelo de curso online vai demandar muito tempo criando conteúdo para encontrar e nutrir novos clientes em potencial.

Um modelo de Atendimento 1: 1 vai exigir que você passe mais tempo “cara a cara” com os clientes.

Um modelo de consultoria pode exigir viagens para as empresas que você trabalha e períodos intensos de trabalho, seguidos por períodos que nada acontece.

O que não quero mais é ver empreendedores rodando um modelo de negócio que vai contra a forma que gostariam de usar seu tempo.

Em vez disso, quero que mais pessoas consigam construir um modelo de negócio que lhes proporcione a capacidade de passar mais tempo fazendo o que amam.

Conte para nós seus insights e o que pensou sobre esses modelos de negócio simples!

Qual foi o modelo que mais se aproximou do que você almeja ter?

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×